O NÚCLEO DE GOVERNANÇA DA FAMÍLIA EMPRESÁRIA surgiu a partir da constatação de que no mundo moderno a grande maioria das empresas – índices acima de 70% – possuem estruturas familiares, ou seja, são formadas e geridas essencialmente por membros da família nos mais diversos graus de parentesco.

Neste cenário, é comum observar nestes núcleos a absoluta confusão que seus membros fazem entre o negócio propriamente dito, o patrimônio da família e suas relações de parentesco. Esta convivência difusa tem sobressaltado os pesquisadores com dados alarmantes. Segundo recente constatação, 65% das falências de empresas familiares no Brasil ocorrem por conflitos entre os membros da família e não por problemas de mercado. Além disso, de acordo com estudos do Centre Family Enterprise de Glasgow, Escócia, somente uma em cada dez empresas familiares sobrevive à quarta geração.

O que é esse serviço?

É um programa de sensibilização, implantação e monitoramento de padrões de Governança, Gestão e Sucessão voltado para a migração do modelo de Empresa Familiar para um modelo mais sólido e transparente chamado de Família Empresária.

A quem se destina

Indicado para familiares, gestores, sócios, acionistas, herdeiros e sucessores de empresas de pequeno e médio porte, assim entendidas aquelas cujo faturamento esteja na faixa entre R$ 240 mil à R$ 20 milhões por ano, de 20 a 499 empregados na indústria e de 10 a 99 no comércio e serviços, que tenham em seu comando gestor e/ou societário membros da mesma família ou sociedades familiares.

Para que serve?

Esse programa serve para estabelecer e organizar os três pilares da Governança Corporativa em Empresas Familiares – Família, Empresa e Patrimônio, alinhando os recursos disponíveis, bem como as pessoas envolvidas. Esse serviço visa amenizar as disputas no âmbito familiar decorrentes da não divisão equilibrada do papel de cada integrante – seja ele filho, pai, esposa, neto, etc e estabelecer um novo patamar de interação entre os membros da família e suas relações com os negócios.

ETAPAS:

Primeira Etapa:

É a da sensibilização, que acontece por meio de apresentação/palestra da realidade das empresas familiares que têm difusas as percepções de seus três ativos: o Patrimônio da Família, as Relações de Parentesco e o Negócio Familiar.

Segunda Etapa:

É a da avaliação (diagnose), que consiste no levantamento e análise da situação dos três ativos, com base em ferramentas e ações eficazes. Após toda a análise, é feito um dossiê geral retratando a situação real e representatividade de cada um dos ativos com recomendações que objetivam o equilíbrio dos mesmos.

Terceira Etapa:

Uma vez identificados os pontos-chaves a serem trabalhados, a terceira etapa é a da implantação de sistemas de governança, estratégias, táticas e operações por meio de ferramentas, processos tais como o manual de governança, códigos de conduta, controles gerenciais e outras modalidades de ações fundamentadas nas ciências da Gestão, Direito, Sociologia, Economia, Contabilidade, Psicologia e outras afins que irão contribuir para a migração do modelo de empresa familiar para o modelo de Família Empresária.

PERGUNTAS FREQUENTES:

1. Qual a diferença entre empresa familiar e família empresária? A empresa familiar é um núcleo em que seus membros, ou parte deles, são vinculados por laços familiares, patrimoniais e empresariais e têm entre si uma percepção difusa e confusa dessas três dimensões. Por outro lado, a Família Empresária é este mesmo núcleo, porém, com uma percepção e atuação mais organizada para cada um dos três ativos (Família, Patrimônio e Empresa), gerenciando-os de forma específica, profissional e eficaz.

2. Por que uma Solução Antecipada para um Problema Anunciado? Porque, histórica e estatisticamente, as empresas familiares não dão a devida atenção para os sintomas que esse tipo de núcleo traz consigo. É como uma pessoa ter indícios de uma doença e não prevenir-se. A solução antecipada é uma conscientização e tomada de decisão em busca da preservação das relações familiares, continuidade/lucratividade das empresas, aumento e preservação do patrimônio e maior integração entre as gerações que devem entender sua participação e expectativa em relação ao seu núcleo.

3. Qual a diferença entre ser Herdeiro e ser Sucessor? O herdeiro é, por lei, o legítimo destinatário do patrimônio familiar e empresarial dos seus ascendentes. O sucessor, por sua vez, é aquele que antes foi preparado para tornar-se o condutor dos negócios e do legado do(s) fundador(es). Portanto, o herdeiro pode, ou não, ser a mesma figura do sucessor.

4. Qual a diferença entre ser o Empreendedor e ser o Gestor? O empreendedor é aquele que teve a iniciativa de criar uma empresa familiar e normalmente é o condutor dos negócios da família, porém, nem sempre o bom empreendedor é o melhor gestor para os negócios, pois existe uma grande diferença entre uma pessoa conhecer DO negócio em si e DE negócios em geral.

5. O que são os ativos da família empresária e quais são eles? Os ativos da família empresária são: a FAMÍLIA, o PATRIMÔNIO e a EMPRESA. São considerados ativos, pois estes geram resultados e dividendos na esfera específica de cada um deles. Esses ativos convergem entre si por laços da família, no entanto, suas características e lógica são peculiares e distintas, o que requer visão e direcionamento próprios.

6. Por que equilibrar os três ativos? Porque os três são fundamentais para a família, ou seja, deve-se buscar a sinergia entre os mesmos para que se evitem conflitos familiares e a depreciação do patrimônio e da empresa.

7. Como saber que os três ativos estão confusos entre si? Existem vários indícios que sinalizam essa confusão. Os mais comuns são: a) venda do patrimônio para capitalizar a empresa, b) conflitos pelo poder, c) maior/menor afetividade pelos familiares que trabalham na empresa, d) conflitos familiares impactando nos resultados da empresa, e) falta de visão unificada dos membros em relação aos ativos, entre outros.

8. O que significa Governança da Família Empresária? Governança é um conceito moderno que remete a um direcionamento, diálogo, decisão, desenvolvimento e disciplina que são aplicados por meio de conselhos, manuais de conduta, códigos de ética, unidade de comando entre outras ferramentas aplicáveis para que as empresas familiares se tornem Famílias Empresárias.

Para informações mais detalhadas ligue: (41) 3053-8989, com Leonardo Pansardi Grisotto, ou visite http://www.ngfe.com.br/

Blog "Executivos no Divã "

No ar "Executivos no divã", um novo blog fomentador da filosofia e psicanálise nas organizações e lideranças.

Mídias Sociais