O meu objetivo nesta série de dois artigos é mostrar que o setor público é a grande pedra no caminho do povo brasileiro e registrar o que Lula não nos diz, embora utilize com frequência a sua já famosa frase: “Nunca na história deste país”. Sua popularidade elevada tem muito a ver com o baixo nível educacional do povo brasileiro, do qual apenas a minoria lê jornais e revistas. Vamos a seguir citar 20 situações que Lula procura não ver e ainda tenta nos vender que tudo está uma maravilha. A verdade é que nunca na história deste país:

01- Pagamos tanto juro como no governo Lula, e, o pior, totalmente desnecessário. A concentração de renda nas mãos dos bancos é sem precedentes. É mais de meio bilhão por dia útil. Em juros, o Brasil é campeão mundial, mas quem manda no país é o poderoso senhor Meirelles;

02 - Pagamos tanto imposto (mais de R$ 1 trilhão por ano) quanto neste governo;

03 - A dívida interna, em valor absoluto, aumentou tanto quanto nos governos FHC e Lula. Saiu de R$ 60 bilhões para mais de R$ 1 trilhão;

04 - Investiu-se tão pouco de recursos vindos do setor público em infraestrutura, em especial em estradas, portos, saneamento, em educação e em saúde. Aliás, dos investimentos previstos do PAC, apenas 15% serão feitos com recursos do Tesouro. A imensa maioria deve vir de empresas privadas e estatais. Por falar em PAC, ele empacou.

05 - Morreu tanta gente nas estradas do Brasil, por conta das péssimas condições de manutenção. Em 2008, o governo federal investiu em obras apenas 22,5% do previsto, cujo valor já era ridículo. Há incompetência até para investir tão pouco.

06 - O Brasil cresceu tão pouco e abaixo da média mundial, de tal modo que foi o penúltimo na América Latina, à frente apenas do pobre Haiti;

07 - O superávit primário foi tão elevado, a custa de não investir no país, tudo para sobrar recursos para pagar juros, que não levam a nada, exceto à elevadíssima rentabilidade (24%) dos bancos;

08 - Fizemos tanta coisa ao contrário do mundo. Enquanto o mundo crescia o Brasil patinava. Enquanto os juros caíam no mundo, no Brasil aumentava.

09 - A insegurança no Brasil foi tão assustadora, apesar de que nunca gastamos tanto com equipamentos para nos protegermos;

10 - Morreu tanta gente por assaltos, roubos e insegurança quanto no governo Lula;

11 - A educação básica foi tão relegada a segundo plano, a ponto de que um aluno do ensino fundamental da escola pública custar apenas 10% do que custa um do ensino superior nas universidades federais;

12 - Os usuários da saúde pública foram tão maltratados, morrendo aos milhares nas filas dos hospitais, sem nenhum tratamento ou com atenção aquém do necessário.

13 - Planejou-se tão pouco o nosso futuro, como um país com estratégia e com visão para um bem estar melhor da população;

14 - Gastou-se tanto com os funcionários públicos, chegando atualmente a mais de R$ 140 bilhões por ano, e nunca se contrataram tantos funcionários, apesar do ainda péssimo serviço prestado pelo setor público;

15 - Houve tantas notícias e CPIs sobre corrupção (com dinheiro até nas cuecas) quanto no governo Lula, nem tivemos um presidente que defendesse tanto seu filho, por ter recebido de uma empresa de telefonia alguns milhões de reais, sem nenhuma justificativa, pois, afinal, ele tinha apenas uma firminha de fundo de quintal;

16 - Tivemos um presidente que defendesse tanto o governo ditador de Cuba, onde a população não tem nenhuma liberdade de expressão e de ir e vir e nem que apoiasse tanto governos do tipo boliviano e venezuelano, cujos líderes são personagens folclóricos mas estadistas nulos;

17 - A elevada gastança em relação aos baixos investimentos foi tão grande, nem os desperdícios foram tão elevados;

18 - Necessitamos tanto de um choque de gestão pública como agora. Afinal, nunca tivemos tantos ministérios e secretarias especiais (são mais de 30) quanto no governo atual, em que mais de 90% dos ministros são totalmente desconhecidos e sem nenhuma expressão, exceto para fazer gastança;

19 - Um presidente do Banco Central mandou tanto no Brasil quanto neste governo, apesar dos erros permanentes, sem que o presidente nada faça, muito embora ele venha pedindo para baixar a Selic. Aliás, até os banqueiros têm o mesmo pedido.

20 - Tivemos um presidente com tão baixo nível educacional, um desestímulo para as futuras gerações. No próximo artigo, vamos propor uma visão estratégica para o Brasil. Não é para chorar, mas alertar para a cegueira que campeia neste país. Só vê tudo ao contrário o presente Lula, que vive longe da realidade dos brasileiros.

(*) Judas Tadeu Grassi Mendes é Ph.D. em Economia, pós-doutor e diretor-presidente da Estação Business School.

Blog "Executivos no Divã "

No ar "Executivos no divã", um novo blog fomentador da filosofia e psicanálise nas organizações e lideranças.

Mídias Sociais